Irmã Dulce com crianças atendidas por ela

Irmã Dulce e sua herança deixada para a Igreja

“Nos pobres que Irmã Dulce acolhia, nos doentes que abraçava, nas crianças que encontrava abandonadas, tinha a capacidade de ver o rosto de Jesus”.

As virtudes de Irmã Dulce

“Santificai em vossos corações o Senhor Jesus Cristo, e estai sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a todo aquele que vo-la pedir”.

Essa sugestão do apóstolo Pedro (1Pe 3,15) é uma síntese do que a Bem-aventurada Dulce dos Pobres procurou realizar ao longo de sua vida.

Pedro estava preocupado com a perseguição que começara contra os primeiros cristãos e queria lhes ensinar como reagir quando perseguidos.

Recomendou-lhes dar um lugar especial a Cristo em seu coração, cultivando com ele uma profunda amizade, mesmo porque não era contra eles que nascia o ódio dos perseguidores, mas contra o Senhor Jesus.

Irmã Dulce não foi perseguida, não foi caluniada e, longe de sentir nascer contra si o ódio da sociedade, era admirada, louvada e procurada por multidões. Sabemos que a causa de seu longo martírio – e uso aqui essa palavra no seu sentido original, referindo-me à pessoa que dá testemunho de Jesus Cristo – teve outras causas:

(1ª) Deus lhe deu um coração sensível, capaz de se condoer com a situação dos pobres.

Ela então sofria porque, por mais que os ajudasse, via que mais lhe restava por fazer.

(2ª) Deus permitiu que sua saúde fosse frágil. Como ela sentia a força de Cristo em seu coração, esquecia-se de seus próprios sofrimentos, para debruçar-se sobre a dor dos pobres que encontrava ou que a procuravam.

(3ª) Deus lhe concedeu um coração ousado, capaz de dar passos que o bom senso humano não recomendaria; por isso mesmo, ela precisou enfrentar incompreensões e sofrimentos.

O período do Calvário

A síntese de seu martírio, contudo, foram os últimos 16 meses de sua vida – meses de agonia, meses de Calvário. Nessa última etapa de sua caminhada, passou por sofrimentos tais que nos fazem concluir que Deus não poupa em nada os seus amigos e amigas – antes, espera que lhe demonstrem seu amor também dessa forma e nessa hora, e a demonstrem especialmente aos necessitados.

Nos pobres que Irmã Dulce acolhia, nos doentes que abraçava, nas crianças que encontrava abandonadas, tinha a capacidade de ver o rosto de Jesus.

Por isso, não lhe era difícil socorrê-los; era, antes, uma oportunidade de demonstrar ao seu grande amigo o quanto lhe queria bem. Ela mesma testemunhou isso: “Não há maior alegria neste mundo que entregar-se totalmente a Deus, servindo-o na pessoa de nosso irmão mais necessitado, mais sofredor” (Summarium, p. 580).

Seu maior Tesouro

Irmã Dulce com crianças atendidas por ela
Irmã Dulce com crianças atendidas por ela.

Tendo a Santa Sé aprovado o milagre necessário para a sua canonização, cuja data ainda não está determinada, cabe-nos fazer a pergunta: Qual a herança que Irmã Dulce nos deixou?

Ela nos deixou uma importante obra social e deixou à Igreja uma nova congregação religiosa. Creio, contudo, que sua maior herança consiste na motivação que orientou a sua vida, que a levou a fazer as escolhas que fez e que determinou a direção dos seus passos.

Essa motivação tem o nome e o rosto de Jesus de Nazaré. Para Irmã Dulce, conhecer a Jesus Cristo pela fé foi a fonte de sua alegria; segui-lo foi uma graça, e transmitir o amor que dele recebeu, e com o qual se enriqueceu, foi a tarefa que sentia ser sua obrigação levar adiante (Cf. Conferência de Aparecida, 18). Cabe-nos, pois, acolher essa herança e nos aprofundar nela.

Para quem Irmã Dulce deixou sua herança? Ela a deixou para todos nós. Além de sermos responsáveis pela continuidade de sua Obra Social, somos herdeiros das motivações que orientaram e deram vida a seus passos.

Contudo, não nos esqueçamos: será necessário, sim, irmos ao encontro daqueles que foram a razão de ser dos trabalhos de Irmã Dulce.

Mas, como ela, não lhes levemos apenas pão, remédio e cura física. Somos chamados a dar aos necessitados aquele pelo qual Irmã Dulce viveu, trabalhou e sofreu: Jesus Cristo.

Em outras palavras:Irmã Dulce não nos deixou apenas uma ONG para cuidar dos pobres. Deixou-nos, sim, uma missão: a de colocar esses nossos irmãos e irmãs que sofrem em contato com Jesus Cristo, para que tenham um encontro pessoal com Ele e possam, então, segui-lo.

Fazendo isso, estaremos demonstrando ter compreendido e acolhido a rica herança que a Bem-aventurada Dulce dos Pobres nos deixou.

Dom Murilo S.R. Krieger, scj – Arcebispo de São Salvador da Bahia, Primaz do Brasil

<

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password