fbpx

Nota de esclarecimento

São Paulo, 26 de outubro de 2018

Diante de algumas críticas que a Aliança de Misericórdia tem recebido após a divulgação de um vídeo do nosso fundador Pe. João Henrique sobre a atual situação política do Brasil, ressaltamos:

  1. Assim como alguns bispos e sacerdotes do Brasil tem se posicionado politicamente não em nome da Igreja, mas como cidadãos, também nosso fundador tem o direito de expressar a sua posição pessoal e exercer seu direito de cidadania.
  2. A Aliança de Misericórdia nunca defendeu nenhum partido ou ideologia política. Justamente por isso, Pe. João Henrique não atacou nem defendeu partido ou candidato algum, mas se posicionou unicamente contra os escândalos de corrupção vergonhosamente comprovados nos últimos anos, contra a maligna cultura de morte e a degradação dos valores morais da sociedade, perversamente impulsionados e patrocinados pelo influxo de um globalismo pagão, que visa a destruição dos valores cristãos que alicerçam a sociedade e, sobretudo, a família.
  3. Acreditamos que os valores defendidos pelo nosso fundador são os valores genuínos do Evangelho de Jesus e da sã doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana. Por isso, as opiniões expressadas em seu vídeo representam a posição da Aliança de Misericórdia. Respeitamos as pessoas que tem opiniões diferentes, pois reconhecemos que o diálogo e a “cultura do encontro” são riquezas que nos permitem construir uma sociedade mais justa e fraterna.
  4. A Aliança nasceu, sobretudo, para os pobres! E as inúmeras pessoas resgatadas da rua e restauradas em sua dignidade ao longo desses anos dão testemunho da autenticidade deste carisma. E por ser de grande interesse tudo aquilo que possa beneficiar os mais necessitados, acreditamos que a corrupção é o primeiro mal que deve ser combatido, pois ela é a raiz geradora de toda espécie de miséria, desigualdade social, injustiça e violência que tanto nos assolam.
  5. Jesus disse que Satanás é o “Pai da Mentira” (cf. Jo 8,44)! Por isso, repudiamos toda e qualquer informação falsa (fake news) ou sensacionalista, assim como qualquer forma de “colonização ideológica” (Papa Francisco) que visa unicamente a desinformação e o engano, causando a desconstrução da verdade dos fatos e impedindo o debate sereno e equilibrado de propostas que visam o bem comum e o fortalecimento da democracia brasileira.

Consagramos todo este momento ao coração de Maria, nossa mãe e padroeira do Brasil, para que por sua intercessão, a verdade e o amor prevaleçam!

Pe. Rodrigo Custódio A. Ramos

Presidente da Aliança de MisericórdiaLeia Mais:
Cristão deve saber de política?
Valores que a Igreja Católica não abre mão

0 Comments

    Leave a Comment

    dezenove − 18 =

    Login

    Welcome! Login in to your account

    Remember me Lost your password?

    Lost Password