São Vicente, o patrono da caridade

São Vicente de Paulo é um santo muito popular entre aqueles que se dedicam ao cuidado com os pobres; muitas pessoas, porém, desconhecem sua vida e caminho de serviço a Deus.

Uma jornada extraordinária

Você que frequenta a paróquia com certeza já percebeu que existe, entre as diversas pastorais, um grupo que não falta: os vicentinos. Eles normalmente fazem campanhas de arrecadação de bens básicos para os mais pobres da região.

Os grupos são inspirados no exemplo do santo que teve como marca principal sua dedicação aos mais pobres. Mas, você conhece sua história? Com certeza este santo irá conquistar seu coração.

Vicente nasceu no dia 24 de abril de 1581, em Pouy, no sul da França e, como era costume na região, foi batizado no mesmo dia. A educação religiosa da família era responsabilidade de sua mãe e o pequeno Vicente se destacava por ser muito piedoso e com inteligência aguçada.

Em uma ocasião, que comprova isso, ele fixou em um tronco de árvore uma pequena imagem de Maria que possuía, onde todos os dias ajoelhado dedicava um tempo de oração.

O vigário da cidade percebeu o dom singular do menino e aconselhou o pai a investir em seu estudo. Tempos depois, Vicente foi enviado para estudar num colégio franciscano. O pai desejava que ele se tornasse padre, pois naquela época ter um sacerdote na família era sinal de ascensão social e melhoria de vida financeira.

Aos 19 anos foi ordenado sacerdote e, então, começaram suas provações.

De escravo a evangelizador livre

A França do século XVI era uma superpotência, centro do comércio e com um reino poderoso. Todavia, enfrentava grande discrepância social; haviam muitos miseráveis nas ruas, crianças abandonadas, prostitutas, cidades em ruínas por conta das disputas territoriais em que o país se envolvia.

Uma vez ordenado, foi enviado a uma paróquia onde começou a empreender sua missão; enfrentava os desafios de um povo pobre material e espiritualmente. Em suas pregações ele abordava as necessidades dos pobres e começou tocar o coração dos mais ricos para ajudar os necessitados.

Certa viúva muito rica ficou tocada por suas homilias e, sabendo que padre Vicente era pobre, resolveu dar parte de sua herança (dinheiro e uma propriedade em Marselha) para suas obras sociais.

Padre Vicente foi atrás da pessoa que estava em posse deste bem, quando voltava de navio foi vítima de um assalto e levado para a Tunísia. Lá foi vendido como escravo, primeiro para um pescador e depois para um químico.

Após a morte deste, o sobrinho em posse de seus bens, inclusive o escravo Vicente, vendeu-o para um fazendeiro que havia renegado o catolicismo e que se tornou muçulmano para não ser escravo.

O regresso

Este fazendeiro tinha três esposas, uma delas observou que padre Vicente trabalhava com muita alegria e, entre uma atividade e outra, entoava canções litúrgicas. Ela começou a perguntar-lhe o que significavam as canções e ele explicava com grande simplicidade.

A mulher, então, questionou o marido qual razão havia abandonado uma religião tão bonita. Isso tocou demais o coração daquele homem que se arrependeu de ter abandonado a fé.

Certo dia propôs para Vicente que ambos fugissem, o que aconteceu, porém, 10 meses depois. Encontraram refúgio por um bom tempo na cidade de Avinhão; ambos foram acolhidos com alegria e o fazendeiro, retornando ao seio da Igreja Católica, tornou-se monge.

Um padre a serviço da rainha

Padre Vicente conquistou a confiança do Vice-Legado do Papa, o Núncio apostólico, em Avinhão. Este, teve que retornar para Roma e levou consigo São Vicente, que se formou, então, em direito canônico.

Um tempo depois, foi escolhido para enviar um documento secreto para o Rei da França, Henrique VI. Este, como agradecimento aos serviços prestados nomeou-o Capelão da Rainha Margot.

Por ser um homem simples, não gostava das pompas e requintes do palácio e passou a morar numa pensão.  Pe. Vicente era encarregado de distribuir esmolas aos pobres e fazer visitas aos enfermos no hospital de caridade em nome da rainha.

Passado um tempo foi nomeado, pelo cardeal, Vigário no bairro de Clichy. Neste lugar fundou a Confraria do Rosário onde seus membros tinham a missão de visitar e atender os doentes. Mas, seu diretor nomeou-o para outro cargo e teve que deixar o serviço que tanto amava para ser o educador dos filhos de um alto general do reino, que era dono de grandes terras.

Obras de misericórdia espirituais

Esse homem poderoso tinha muitos agricultores a seu serviço e padre Vicente percebeu que estavam completamente abandonados na questão de vida sacramental.

Organizou um grande mutirão de confissões ao chamar outros padres para ajudá-lo. A esposa do general começou a envolver-se nas obras de misericórdia realizadas pelo padre Vicente e, com seu auxílio, criou duas obras; uma que auxiliava os pobres com bens materiais (Confraria da Caridade) e outra na evangelização (Congregação da Missão).

A Congregação da Missão cresceu de forma espontânea e logo juntou grande número de voluntários. Foi reconhecida como tal em 1625 pelo Papa Urbano VIII.

O ramo feminino da obra teve a colaboração de Santa Luiza de Marilac, que ajudou a erguer a Companhia das Irmãs da Caridade; a primeira irmã foi a camponesa Margarida Naseau. Este ramo é extremamente numeroso e possui centenas de obras espalhadas por todo o mundo.

São Vicente de Paulo morreu aos 80 anos, no dia 27 de setembro de 1660. Seu corpo encontra-se incorrupto na Igreja de São Lázaro, em Paris. É, desde 1885, o patrono de todas as obras sociais da Igreja Católica.

Peçamos a São Vicente para sejamos dóceis à voz de Deus e fiéis aos propósitos que Ele nos inspira. Que saibamos ser misericordiosos para com todos, sem nunca esmorecer no caminho de santidade.

São Vicente de Paulo, rogai por nós!

Com informações de:

Canção Nova

Santuário do Caraça

Wikipedia

Cruz Terra Santa

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password