Por que as consagradas da Aliança usam a Cruz da Unidade?

A força do símbolo

Um símbolo existe para nos revelar uma verdade profunda, que teríamos dificuldade em compreender de outra forma e, contemplando-o, cada parte nos “diz” algo e nos relembra o que de mais enraizado carregamos; desejos e projetos que não estão na superfície, mas sim no mais profundo de nós!

A nossa Comunidade, desde o seu início, não partiu para o caminho de um “símbolo comum” – uma cruz que todos deveriam usar, com a corda de tal cor, ou um hábito que distinguisse os celibatários, por exemplo.

Esse foi o caminho de pobreza e liberdade que Jesus foi revelando aos nossos padres fundadores, e que mostrou à Aliança de Misericórdia, pequena e desejosa de ter como símbolo algo fora de um ‘objeto’: a força do Espírito Santo, a Palavra e o amor ao Pobre.

A consagrada da Aliança

Mas Deus também permitiu que nós celibatárias pudéssemos carregar um símbolo nosso, dentro desse espírito de liberdade: a Cruz da Unidade, que Maria Paola escolheu como sua, e que ofertou como um presente para todas nós e desta forma damos seguimento ao seu caminho de consagrada na Aliança.

Pode interessar: Nafonte sobre a vida de Maria Paola do Cordeiro Imolado 

Quais são então os pontos principais de uma espiritualidade da consagrada que esse símbolo traz para nós?

Essa cruz nasceu dentro da família do Movimento Apostólico de Schoenstatt (da Mãe, Rainha e Vencedora três vezes admirável), fundado pelo Venerável Pe. José Kentenich, na Alemanha. O padre viveu uma realidade muito difícil durante a 2ª Guerra Mundial, ficando mesmo preso no campo de concentração de Dachau.

Nesse tempo, ele escreveu muito sobre a relação de Maria e Jesus Crucificado. Foram os seus escritos que inspiraram o Pe. Ángel Vicente Cerró, chileno, a desenhar e criar a Cruz da Unidade. Alguma das frases do fundador que inspiraram o Pe. Ángel:

“Como sinal da Redenção, eu levarei aos povos a cruz e a imagem de Maria; jamais seja separado um do outro o que em Seu plano de amor, o Pai concebeu como unidade”; “Assim, como todo o seu ser, também a vida de Maria e seu agir estão totalmente ordenados a Cristo, à Sua Pessoa e Sua missão. Ela só existe por causa dEle. Não há outra razão para a sua existência”.

Aprofunde no assunto: A Ciência da Cruz

Intercambio de dons

Ela é chamada de Cruz da Unidade porque fala de relacionamento e de união – da unidade entre Cristo Maria. Entre Cristo e os homens. Entre os próprios homens como irmãos. A cruz do cálice aberto no qual se derrama Seu sangue até sua última gota. A unidade entre a Mãe e o Filho; entre ela e nós. A Cruz expressa essa relação íntima de Jesus com Maria e conosco: “Eis aí tua mãe”.

Ela fala da nossa missão de intercessão e oração: Maria segura o cálice e colhe o sangue, a doação total do seu Filho por nós para que não se perca, para que chegue a todos os que necessitam. Trazemos essa missão, junto com Maria.

Esta Cruz é a expressão simbólica desta oração do Rumo ao Céu*. Juntas, Oração e Cruz, marcam o que está no centro da espiritualidade de cada consagrada. Somos convidadas a viver ao lado de Jesus, dentro de sua Cruz e, a partir da oração, restaurar a unidade perdida dos homens com Deus!

Sempre aos pés da Cruz

“A unidade é ansiada pela nossa alma dividida, destruída pelas feridas que nos desfolham, pelas quedas que nos desfazem. Desunidos diante de uma cruz que se chama da unidade. Uma cruz da unidade. Maria elevada diante da cruz, levantada quase no ar. Segurando um cálice aberto. Recolhendo a vida. Os pés na terra, nas mãos dos homens. As mãos levantadas tocando o céu, no meio de uma morte” (Pe. Carlos Padilla).

O papel próprio da consagrada, da participação de Maria aos pés da Cruz com o cálice nas mãos – para recolher o sangue de Jesus ou para saciar-lhe a sede – cada irmã é convidada a pensar em qual atitude lhe é própria, qual a sua maneira particular e profundamente pessoal de acolher o sangue de Cristo e de doá-lo aos outros.

Saiba mais: O poder do Sangue de Jesus

A primeira cruz feita, também é uma ‘cruz trinitária’: no topo da cruz a presença do Pai, e o fundo original é de cor vermelha, simbolizando assim o Espírito Santo. Na parte de trás da cruz encontram-se também três frases em latim, que expressam ideais e realidade: (é interessante conhecer este detalhe, como um “pano de fundo” dessa espiritualidade):

Unum in sanguie”: Unidos no sangue (de Cristo);
Tua res agitur”: Tua obra redentora;
Clarifica te”: é glorificada (na nossa pequenez e impotência).

O desejo da co-fundadora

Um desejo da Maria Paola, que trouxe para a Cruz da Unidade algo de particular nosso: temos a Cruz envolta na madeira, simbolizando a nossa entrega de vida ao Pobre… o desejo de sermos pobres, pequenas, de reconhecermo-nos como ‘anawin’ (pobres de Deus), termo que sempre foi tão importante para a Maria Paola.

Não sabemos com exatidão quando a Maria Paola começou a usar essa cruz, mas estes são pontos que ela sempre considerou importantes e que faziam parte do seu relacionamento com Deus.

Pessoalmente, eu sinto que a sua oferta dessa cruz para cada uma de nós é também um convite a olhar a sua trajetória como consagrada e de marcar para sempre no nosso coração essa certeza, esse desejo profundo que a Maria Paola tinha de deixar claro: “estamos juntas… nesse caminho esponsal, nesse caminho de intercessão e de entrega total de vida!” (trecho de uma carta dirigida às celibatárias da Aliança em 2008).

Sinal da Nossa entrega

Por fim, Deus permitiu que tivéssemos um símbolo nosso (só nosso) como sinal do amor dessa nossa irmã de Comunidade e do seu desejo tão bonito de consagração e intimidade com Jesus e Maria. Deixo aqui duas passagens do seu diário que, para mim, estão muito ligadas a esse símbolo da Cruz da Unidade:

“Invada-me, Senhor, com a Tua luz. É a tua Luz, Cordeiro Imolado, que está iluminando a minha vida. É a Tua Luz, Cordeiro Imolado x Amor, é o Teu sangue que, derramado em minha vida, me dá a alegria de dizer: “Sou Tua, toda Tua, regenerada pelo Teu sangue versado sobre mim”. “Quem poderá acusar os escolhidos de Deus? É Ele quem os justifica. Jesus, creio em Ti com todo o meu coração. Rejubila, filha de Sião, com todo o teu coração” (02/01/1997 – Maria Paola do Cordeiro Imolado).

Para rezar diante da Cruz da Unidade

Virgem com Maria, Virgem de fé,
Aos pés da Cruz
Na geração de um povo!
Toda lágrima.

Neste mistério guardado,
Como tesouro precioso,
No silêncio do seu coração é fonte de vida!

Todo abismo que nos envolve
E nos devora revelar-se-á o mistério do Coração de Cristo
Que acolhe o abismo da nossa miséria
Na chama viva do seu amor crucificado
Mistério do santo parto das suas entranhas misericordiosas!

Mais numerosos são os filhos da abandonada,
Do que os da desposada, diz o Senhor.
Não há comunhão sem abandono e solidão
Nem unidade longe da separação que esmaga
E rasga o coração da Mãe e o coração do Filho
Unidos no único SIM à vontade do Pai!

Unidos na geração do numeroso povo dos redimidos.

Não queira o Senhor que venha o dia em que nos arrependemos
De ter sofrido pouco ou de ter sofrido mal e
ter gerado pouco ou ter gerado mal.

Senhor,
Você conhece toda nossa miséria!
Tende misericórdia de nós e capacita o nosso coração
Dilatando-o na medida do Seu e do Coração da Mãe,
Imaculada Virgem, fecunda e amorosa vítima
Silenciosamente unida à entrega
Da Última Vítima Pascal,
Cordeiro Imolado, Jesus.

Senhor Nosso, Misericórdia Infinita.

Meu Deus, eu me abandono e confio em Ti,
Me rendo ao Seu Amor.
Me rendo ao Seu chamado e confio no seu amor!

Meu Deus. Eu viverei no seu Amor para cantar eternamente a Sua Misericórdia
Que gera uma nova Igreja nos pequenos, abandonados.
Esta é a minha tarefa nesta vida e na vida fraterna

E sem forças, sem capacidade, sem gratificação.
Contra toda esperança, contra todo o sentimento
E gosto, eu renovo minha entrega
Porque “Jesus eu confio em Ti”.

Ana Teresa de Jesus, missionária da comunidade de vida, Abril 2005

Fontes:

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password