Nivaldo, um homem da Palavra e da Vida

Nivaldo da Cruz, o primeiro jovem missionário da comunidade de vida da Aliança de Misericórdia, tem uma presença forte em nossa espiritualidade. Ele participou das fundações da obra e cultivou em si, e ao seu redor, frutos de vida eterna.

Martírio de amor

Toda vez que falamos deste irmão, uma alegria e uma certeza brotam no coração: temos um intercessor no Céu. Muitos de nós conhecem coisas pontuais de sua vida, como o passado longe de Deus, sua doação aos Filhos da Aliança, até sua fatídica morte num acidente de carro.

Mas podemos analisar alguns aspectos interessantes e que muito nos inspiram a trilhar o caminho de configuração da nossa vida a Cristo, sem medo dos martírios diários que muitas vezes nos preparam o martírio de sangue.

A vida de Nivaldo foi visitada por Deus e Este se manifestou mais claramente nos momentos de maiores dores e tribulações; o Senhor o cercou de carinho, pois queria resgatar essa ovelha através de laços de amor.

Um desses laços que envolveram a vida de Nivaldo foi a Palavra de Deus e a presença dos irmãos.

Saiba mais: Nivaldo, apaixonado pela cruz

Da morte à vida

Sua conversão foi progressiva, mas teve um start: num certo dia, entregue à angústia e ao desespero, foi abordado por duas jovens da Igreja que disseram um simples “Jesus te ama”. A frase, a princípio, causou indignação, mas provocou o seu coração – “Quem é este Jesus? Eu não O conheço!” – respondeu.

Nessa fase o jovem já havia perdido amigos que, foram mortos em consequência da vida no crime. Enfrentava ainda uma profunda depressão pela falta de sentido da vida; seu desespero era tão grande que tentou suicídio ao provocar um acidente de trabalho no dia seguinte à abordagem das jovens.

A tentativa frustrada o fez pensar que realmente aquele Jesus tinha algo a lhe dizer e começou, de maneira muito simples, a frequentar um grupo de oração. Porém, foi durante um seminário de vida no Espírito que ele desafiou Deus a mudar radicalmente sua vida. Já havia quase um ano que frequentava aquele grupo e por diversas vezes havia caído nas velhas tentações. Estava cansado de lutar…

Desafiou a Deus a ajudá-lo e foi atendido!

Quando nos deparamos com desafios que parecem intransponíveis, olhando para as nossas limitações, por que não insistir com Deus até o ponto de “chateá-lO”? Não é isso que nos mostra o evangelho da viúva e do juiz injusto (Lc 18, 2-7)? Aquela mulher tão frágil tinha certeza do que queria e não mediu esforços para pedir ao juiz e conseguiu o que queria.

Com Deus, que é Pai, por que não haveremos de, por exemplo, alcançar a vitória sobre algum “pecado de estimação”, vício, ou a fortaleza em tempos de provações?

Pois Nivaldo com sua oração ousada foi atendido! O pregador durante um momento disse que Deus estava acolhendo a oração de um jovem que estava desesperado. No mesmo instante, ele sentiu uma profunda paz e a certeza de que Deus ouviu o seu clamor.

Ali, naquele momento a graça santificante tocou a natureza ferida daquele jovem; Nivaldo tinha agora um longo e belo caminho de santidade pela frente. A vida venceu!

Programa “Parte de Nós”: Padre João Henrique e o missionário Rafael falam de Nivaldo

Um homem da Palavra

Como muitos sabem, ele era analfabeto, consequência de suas dificuldades na aprendizagem durante a infância. Além disso, uma alfabetização naquela altura era praticamente inviável, pois o seu envolvimento com as drogas, deixaram sua mente limitada para esse tipo de aprendizado.

Mas isso não foi impedimento para que, mais uma vez, a graça de Deus visitasse nosso santinho. Depois desta experiência no seminário de vida no Espírito, os jovens daquele grupo foram convidados a fazer uma experiência na comunidade terapêutica da Fazenda da Esperança*.

Atraído pelo desejo de se doar

Ele foi com a intenção de ajudar na evangelização, mas acabou recebendo muito mais. Lá sua fé foi se aprofundando e Deus restaurou sua dignidade de filho. Assim, permaneceu por quase dois anos naquele local.

Era uma pessoa apaixonada pela Palavra de Deus e ansiava aprender a ler as Sagradas Escrituras; achava bonito quando os pregadores usavam da oratória e da Palavra para ensinar as verdades eternas. Mal sabia ele o que lhe reservava o Pai do Céu!

O dia oportuno

Certa vez, quando Nivaldo, que já havia conquistado a confiança dos monitores do local e ocupava a função de monitor de um grupo de recuperandos, foi fortemente tentado pelo homem velho.

Ocorreu um desentendimento com outro acolhido, a tal ponto de quase terminar em briga. Para não agredir fisicamente aquele irmão, ele foi até à capela do local e lá chorou implorando a Deus forças para não partir para a briga.

Mais uma vez, com a ousadia dos pequeninos, desafiou Deus e pediu um sinal: “se verdadeiramente o Senhor existe e me ama, mostra-me o Seu poder e liberta-me”. Aqui não podemos imaginar o tamanho da provação que Nivaldo estava vivendo.

No livro “O Bom Ladrão”, você terá mais detalhes da vida de Nivaldo. Acesse a Loja da Misericórdia

Pano de fundo

Ele pertenceu a uma quadrilha de assaltantes de banco; no passado andava armado, convivia com gente violenta e sem piedade e, com certeza, não resolvia seus desafetos com flores e cantando músicas de paz! O homem velho estava gritando dentro dele para resolver aquele problema.

A vida do cristão é muito prática e não é fácil! Mas Deus não abandona e mais uma vez o atende.

Superando com a graça de Deus

Na capela havia uma Bíblia, ele a tomou nas mãos e a abriu, talvez com a intenção de a partir da Palavra receber de Deus a força que necessitava. Ele, certa vez, disse numa pregação na TV Canção Nova que costumava fazer isso quando orava a Deus e tinha o desejo de ler a Bíblia, mas não podia compreender as palavras.

Todavia, de forma milagrosa, naquele instante, as letras começaram a fazer sentido; seus olhos se abriram e ele foi soletrando letra por letra, sílaba por sílaba até compreender o versículo que dizia: “Eu sou um Deus sem rival, não existe outro além de mim. Embora não me conheças, eu te cinjo” (cf. Is 45,5).

Ele ficou exultante. Saiu da capela e encontrou uma irmã de comunidade e mostrou o versículo perguntando o que estava ali escrito. Quando a moça confirmou “Eu sou um Deus sem rival”, Nivaldo não se conteve.

Na sua alegria de criança, quando descobre algo novo, mal percebeu, porém, o que Espírito Santo havia feito em sua alma dócil: a Palavra de Deus fundou os alicerces para que ali o homem velho fosse crucificado e nascesse um homem novo completamente renovado.

Deixar o Cristo viver em nós

Seu caminho foi árduo, é verdade, mas ao final de sua vida pôde concretizar mais do que muitos, o que diz o Apóstolo Paulo: “combati o bom combate, guardei a fé” (II Tm 2, 7-8).

Mesmo entregando sua vida ao serviço de Deus, como primeiro missionário da Aliança de Misericórdia, ele enfrentava muitas limitações físicas e psicológicas.

Ele havia sim ressuscitado com Cristo, mas suas chagas ainda pulsavam como que testemunhas da grandeza de Deus, e aí está uma grande pista para nós hoje: estamos dispostos a deixar que Deus nos use e habite em nós da maneira que somos e estamos?

Aceitamos com docilidade nossas imperfeições para que seja somente o Espírito Santo o protagonista de nossas vidas?

Poderíamos ficar horas falando do Nivaldo, mas por hoje ficamos por aqui. Que neste mês da Palavra tenhamos ao nosso lado esse santinho por intercessor.

Fica na paz santidade!!!

*A Fazenda é pioneira “no processo de recuperação de pessoas que buscam a libertação de seus vícios, principalmente do álcool e da droga. Seu método de acolhimento contempla três aspectos determinantes: o Trabalho como processo pedagógico; a Convivência em família; e a Espiritualidade para encontrar o sentido da vida”.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password