fbpx

São Tomás More e São João Batista: dar a vida pela Verdade

São Tomás More é o santo padroeiro dos políticos. Um santo Medieval que fazia parte do governo de Henrique VIII.

Neste texto, faremos um paralelo entre ele é a missão de São João Batista. Mas, o que São Tomás More tem em comum com São João Batista?

Ambos os santos são celebrados em junho, mas existe muito mais em comum nesses dois santos do que apenas o mês de celebração. Vamos conhecer um pouco mais de São Tomás More.

Pequena Biografia

Nasceu em 1478, em Chelsea, na capital da Inglaterra, Londres. Era filho de uma família cristã, que educou seus filhos na fé. Com apenas treze anos, assumiu o trabalho de mensageiro do arcebispo diocesano de Canterbury. O bispo notou a inteligência brilhante do garoto e enviou-o para estudar na Universidade de Oxford.

Aos vinte e dois anos, Tomás More já tinha doutorado em Direto. Além disso, tinha se tornado um professor brilhante.

A tradição nos conta que São Tomás More pensou seriamente em se tornar religioso. Por isso, viveu durante quatro anos num mosteiro, mas viu que não tinha vocação monástica. Depois, tentou ser franciscano, mas viu que este também não seria o caminho. Então, descobriu que sua vocação era para matrimônio.

Casou e teve 4 filhos, se dedicando à família e à caridade para os pobres e necessitados de seu tempo.

Em 1529, se tornou chanceler do Parlamento da Inglaterra. Apenas um ano após a sua adesão ao parlamento, o rei, Henrique VIII, quis usar do Parlamento para desfazer seu casamento com a rainha Catarina de Aragão.

Para tal, Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica e fez com que o parlamento proclamasse o Ato de Supremacia.

Este ato dava poderes de chefes da Igreja local ao rei e a seus sucessores, todos os que se opunham a esse ato eram presos e mortos.

São Tomás More, se opôs, incapaz de renegar sua fé Católica e na verdade do poder eclesiástico da Igreja, da sacralidade e indissolubilidade do matrimônio, foi condenado, primeiramente, a prisão e posteriormente foi decapitado.

 

Coragem para defender a verdade

 

São Tomás More registrou sua irreverência diante daquela farsa montada pelo rei, através de uma declaração pública pronunciada antes de sua morte:

“Sedes minhas testemunhas de que eu morro na fé e pela fé da Igreja de Roma e morro fiel servidor de Deus e do rei, mas primeiro de Deus. Rogai a Deus a fim de que ilumine o rei e o aconselhe”.

Assim como São João Batista, que não se calou perante o adultério de Herodes e por isso foi decapitado, São Tomás More não se calou perante o estratagema de Henrique VIII para se casar com sua amante e foi igualmente martirizado.

São Tomas More foi canonizado pelo Papa Pio XI, em 1935, e foi declarado pelo Papa João Paulo II como padroeiro dos políticos, pois em meio a um ambiente de corrupção e privilégio, escolheu a verdade.

São Tomás More é também autor de famosas obras como: Utopia e O Diálogo do Conforto Contra as Tribulações.

 

Oração composta por São Tomás More

“Se eu me distraio, a Eucaristia me ajuda a recolher-me. Se me oferecem oportunidades para ofender a Deus, me apego cada dia mais a Eucaristia e fujo do erro. Se necessito de uma luz especial e prudência para desempenhar minhas pesadas obrigações, me achego ao Senhor e busco Seu conselho e iluminação”.

São Tomás More rogai por nós

0 Comments

    Leave a Comment

    Login

    Welcome! Login in to your account

    Remember me Lost your password?

    Lost Password