Papa Francisco em Moçambique

Entre os dias 04 e 06 de setembro, Moçambique recebeu a visita do Santo Padre, o Papa Francisco. E nesse momento tão importante para o país, os missionários da Aliança, em missão na região, estiveram presentes.

Durante os dias, ele realizou diversas atividades e, com carinho, discursou para inúmeras pessoas.

Jovens, o presente de Moçambique

Jovens entregam presentes ao Papa Francisco

No encontro com os jovens o papa falou da importância deles para Moçambique.  “O que há de mais importante para um pastor do que encontrar-se com os seus jovens? Vocês são importantes! Precisam saber disso, precisam acreditar nisso: vocês são importantes! Mas com humildade, porque não são apenas o futuro de Moçambique ou da Igreja e da humanidade; vocês são o presente de Moçambique! Com tudo o que são e fazem, já estão contribuindo para ele com o melhor que hoje podem dar”.

Leia também: Papa Francisco, os jovens e o agora de Deus

Pode te interessar: Tudo Pelo Reino | Vós sois o Agora de Deus

Doação: identidade do consagrado

No encontro com os consagrados, Francisco falou da importância de encontrar na doação a identidade de um consagrado.

“Não podemos correr atrás daquilo que redunda em benefícios pessoais; os nossos cansaços devem estar mais relacionados com a nossa capacidade de compaixão: são compromissos nos quais o nosso coração estremece e se comove”.

“Para nós, sacerdotes – acrescentou o Santo Padre– as histórias do nosso povo não são um noticiário: conhecemos a nossa gente, podemos adivinhar o que se passa no seu coração”.

E, assim, a nossa vida sacerdotal se vai doando no serviço, na proximidade ao povo fiel de Deus…, etc., o que sempre, sempre cansa”.

 

Amar e fazer o bem

Em terras ainda tão marcadas por guerras e miséria, Francisco disse que é “difícil falar de reconciliação, quando ainda estão vivas as feridas causadas durante tantos anos de discórdia. Ou ainda convidar a dar um passo de perdão que não signifique ignorar o sofrimento nem pedir que se cancele a memória ou os ideais (cf. Exort. ap. Evangelii gaudium, 100).

Mesmo assim, Jesus convida a amar e a fazer o bem. E isto é muito mais do que ignorar a pessoa que nos prejudicou ou esforçar-se por que não se cruzem as nossas vidas: é um mandato que visa uma benevolência ativa, desinteressada e extraordinária para com aqueles que nos feriram.

Mas Jesus não fica por aí; pede-nos também que os abençoemos e rezemos por eles; isto é, que o nosso falar deles seja um bendizer, gerador de vida e não de morte. Que pronunciemos os seus nomes não para vingança, mas para inaugurar um novo vínculo que leve à paz. Alta é a medida que o Mestre nos propõe!”

Por isso, pela obra de fé e ação evangélica o papa deixou um convite ao povo, para que possam ter atos de perdão mesmo com tantas feridas: “Amai os vossos inimigos”.

Encerramento

No último dia da visita, Papa Francisco se despediu do povo moçambicano debaixo de muita chuva. A Santa Missa aconteceu no estádio de Zimpeto.

O povo moçambicano mostrou a sua fé, o carinho e respeito que tem pelo nosso pastor, quando, mesmo debaixo de chuva, permaneceu firme e alegre. Fomos “banhados pela água benta”, afirmou o papa.

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password