O Semeador saiu a semear

Semear no mundo inteiro

“Saiu o semeador a semear”. (…) A cena é atual. O semeador divino lança, também agora, a sua semente. A obra da salvação continua a cumprir-se e o Senhor quer servir-Se de nós: deseja que nós, os cristãos, abramos ao seu amor todos os caminhos da Terra; convida-nos a propagar a mensagem divina, com a doutrina e com o exemplo, até aos últimos recantos do mundo.

Pede-nos que, sendo cidadãos da sociedade eclesial e da civil, ao desempenhar com fidelidade os nossos deveres, sejamos, cada um de nós, outro Cristo, santificando o trabalho profissional e as obrigações do próprio estado.

Palavra semeada

Sementes nas mãos

Se olharmos à nossa volta, para este mundo que amamos porque foi feito por Deus, veremos que a parábola se realiza: a palavra de Jesus Cristo é fecunda, suscita em muitas almas desejos de entrega e de fidelidade.

A vida e o comportamento dos que servem a Deus mudaram a história, e mesmo muitos dos que não conhecem o Senhor regem-se – talvez sem sequer disso se aperceberem – por ideais nascidos do cristianismo.

Vemos também que parte da semente cai em terra estéril, ou entre espinhos e abrolhos: há corações que se fecham à luz da fé.

Os ideais de paz, de reconciliação, de fraternidade, são aceites e proclamados, mas – não poucas vezes – são desmentidos com os factos.

Alguns homens empenham-se inutilmente em afogar a voz de Deus, impedindo a sua difusão com a força bruta ou então com uma arma menos ruidosa, mas talvez mais cruel, porque insensibiliza o espírito: a indiferença.

São Josemaría Escrivá de Balaguer (1902-1975), presbítero, fundador
Homilia de 28 de maio de 1964, festa do Corpo de Deus, «Cristo que passa», n.º 150

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password