O Cordeiro Imolado libertou-nos da morte

Foi Ele o Cordeiro que não abriu a boca, o Cordeiro Imolado, nascido de Maria, cordeira sem mancha; tirado do rebanho, foi conduzido ao matadouro.

Tomou sobre si os nossos sofrimentos

Muitas coisas foram preditas pelos Profetas acerca do mistério da Páscoa, que é Cristo, ao qual seja dada glória pelos séculos dos séculos. Amen.

Ele desceu dos Céus à terra para curar a enfermidade do homem; revestiu-Se da nossa natureza no seio da Virgem e fez-Se homem; tomou sobre Si os sofrimentos do homem enfermo num corpo sujeito ao sofrimento e destruiu as fraquezas da carne; e com o seu espírito que não podia morrer, matou a morte homicida.

Foi conduzido à morte como um cordeiro; libertou-nos da sedução do mundo, como outrora tirou os israelitas do Egipto; salvou-nos da escravidão do demónio, como outrora arrancou Israel das mãos do Faraó; imprimiu em nossas almas o sinal do seu Espírito e assinalou os nossos corpos com o seu Sangue.

Saiba mais: Uma linda devoção: oração das 15h da tarde

Foi Ele que venceu a morte e confundiu o demônio, como outrora Moisés ao Faraó. Foi Ele que destruiu a iniquidade e condenou à esterilidade a injustiça, como Moisés ao Egito.

Foi Ele que nos fez passar da escravidão à liberdade, das trevas à luz, da morte à vida, da tirania ao reino perpétuo, e fez de nós um sacerdócio novo, um povo eleito para sempre. Ele é a Páscoa da nossa salvação.

Foi Ele que tomou sobre Si os sofrimentos de todos: foi morto em Abel, atado de pés e mãos em Isaac; peregrino em Jacob; vendido em José; exposto em Moisés; degolado no cordeiro; perseguido em David e desonrado nos Profetas.

Pode interessar: Como rezar o terço da Misericórdia

Foi Ele que encarnou no seio da Virgem, foi suspenso na cruz, sepultado na terra e, ressuscitando de entre os mortos, subiu ao mais alto dos Céus.

Foi Ele o Cordeiro que não abriu a boca, o Cordeiro Imolado, nascido de Maria, cordeira sem mancha; tirado do rebanho, foi conduzido ao matadouro, imolado à tarde e sepultado à noite; ao ser crucificado, não Lhe partiram nenhum osso; não sofreu a corrupção do túmulo; mas ressuscitou dos mortos e restituiu a vida aos homens.

Da Homilia de Melitão de Sardes, bispo, sobre a Páscoa
(Nn. 65-71: SC 123. 95-101) (Sec. II)

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password