Amar sem medida – Abril 2017

ABRIL/2017

Aquele que diz estar na luz, mas odeia o seu irmão, ainda está nas trevas.

(1Jo 2,9)

Uma noite aconteceu que, logo após a Missa, ministramos um momento de perdão no relacionamento entre pais e filhos. Uma senhora que estava presente, voltando em sua casa, logo preparou a mala para viajar.

O marido ficou espantado e tentava convencê-la de desistir de viajar naquele dia e embarcar somente no dia seguinte, pois já era meia-noite. A senhora insistiu, dizendo que devia partir para se encontrar com o pai que não via há mais de 20 anos.

A verdade era que ela tinha uma profunda mágoa do pai, e uma voz interior lhe dizia para que fosse reconciliar-se com ele. Então, ela viajou! Na madrugada ligou em casa a irmã que disse que o pai estava na UTI e o marido explicou todo o acontecido.

A irmã ficou super feliz porque o pai, bem perto da morte, também quis reconciliar-se com todos os filhos, e estava triste porque faltava somente esta filha que vivia em São Paulo.

Chegando à cidade logo foi levada para o hospital, e quão grande foi a alegria de poder se reconciliar com o pai antes da morte dele, e viver aquele momento abraçada com o pai, na paz do coração. Creio que esta senhora tinha entendido claramente o versículo da carta de João. Não podia dizer estar na luz se odiasse o seu pai.

Viver na Luz

Queridos, o homem é chamado para viver na luz, em Deus. Deus é amor, Deus é luz, Nele não há trevas. Nós somos a sua imagem e semelhança: se nos colocamos frente a Ele, como somos, seremos nós mesmos; se, ao contrário, fugirmos d’Ele, viveremos na escuridão e perderemos a nossa identidade.

Infelizmente, tantas e tantas vezes, o homem está nas trevas e não se dá conta que está vivendo, nas mãos do inimigo, nos braços do mal. O pecado original destruiu, ou melhor, quis apagar esta luz dada por Deus à humanidade.

Adão e Eva estavam felizes no jardim do Éden e “conversavam” tranquilamente com Deus. Viviam um relacionamento perfeito entre os dois e o Pai do céu, mas o orgulho prevaleceu, o divisor “deu conta” de criar dúvidas em ambos, para coloca-los contra o seu Criador e logo perceberam que estavam nus. Porém, não devemos olhar a expressão “nus” no sentido físico.

A Bíblia quer nos dizer que perderam a identidade e o sentido da vida. Estavam na luz e entraram nas trevas. Tudo se tornou divisão, antagonismo, um prevalecer contra outro. O Antigo Testamento logo mostra a consequência desta separação e escuridão. Adão e Eva geraram Caim e Abel e o primogênito invejoso matou o irmão.

Poderíamos dizer que, antes da vinda de Cristo, com o pecado a humanidade entrou nas trevas e, com as trevas, a divisão, o ódio, a hostilidade, a violência, a morte tomaram conta dos homens e caracterizaram seus relacionamentos. Lemos no antigo testamento Deus que expressa com indignação: “não desprezes o homem justo, ainda que pobre; não enalteças um pecado, ainda que rico” (Eclo 10,26).

Aquele que diz estar na luz, mas odeia o seu irmão, ainda está nas trevas.

Jesus veio para livrar-nos do mal, destruir as obras do diabo, iluminar a nossa mente e restaurar nosso coração, para voltarmos a ser verdadeira “imagem e semelhança com Deus”.

Ser imagem de Deus significa viver o relacionamento trinitário entre as pessoas, o amor recíproco. Vivendo isso, vivemos na luz e tudo se torna mais claro e luminoso.

A visão da vida recebe outro sentido e tudo se esclarece, pois “quem ama o seu irmão vive na luz” (1Jo 2,10).

Também nos tempos hodiernos experimentamos que se não amamos o irmão as trevas tomam conta do mundo. É somente olhar os jornais: guerras, abortos (mais de um bilhão desde os anos setenta), terrorismo, violências de todo tipo, prostituição, eutanásia, etc.

Imaginem que na Suécia, onde foi aprovada a eutanásia não tem mais vaga nos hospitais, tantas são as pessoas que querem se matar porque não aguentam mais esta vida. Isso é terrível, poderíamos dizer que não há esperança!

Nada disso! No nosso ser interior tem um anseio, desejo, pulsão que nos leva a voltar à luz de Deus. A pessoa humana não fica em paz até que não encontra esta paz interior, a luz de Deus que passa pelo amor aos irmãos.

Sempre fiquei de boca aberta lendo como agiu Jesus com os apóstolos, sobretudo na última ceia antes de instituir a Eucaristia. Eram as suas últimas palavras e ações que ele tinha com aqueles que mais amava, e escolheu aqueles para que fossem seus mais íntimos amigos.

Mas quem Ele tinha a sua frente? Judas Iscariotes que daqui a pouco entregaria Jesus aos sacerdotes para matá-lo; Pedro que o trairia algumas horas depois; João e Tiago que, no caminho para Jerusalém, pediram para ele de poder sentar do seu lado quando se tornasse rei;

Tomé que não acreditou na sua Ressurreição. Todos eles fugiram, no momento em que mais Jesus necessitava. Poderíamos dizer: um verdadeiro fracasso! Jesus, ao invés, transformou aquelas trevas em amor, a Luz do mundo, o Filho do Pai do Céu, se ajoelhou e lavou os pés deles, doando para nós o mandamento: “amai-vos um aos outros como eu vos amei”.

Com a vida quis dizer-nos o caminho para sair das trevas: amar até doer, até o fim, amar dando a vida para os nossos irmãos. Não podemos escapar desta verdade!

Aquele que diz estar na luz, mas odeia o seu irmão, ainda está nas trevas.

Creio que todo mundo deseje estar na luz. Os passos são reais e concretos: amar o irmão, sobretudo aquele que mais odeio e que mais me cria repulsa. Amar sem medida, escolhendo aqueles que são (aos meus olhos) “os piores”.

Não precisa fazer exemplos, é só olhar no profundo do meu ser e me perguntar: estou fugindo daqueles que odeio, que são chatos ou querem roubar o “poder” que já conquistei?

O amor me leva a tornar-me próximo daquele que o pecado me faz perceber como “inimigo”, como Jesus que na Cruz orou, pedindo ao Pai que perdoasse os que o mataram, oferecendo para eles a sua vida!

Existe um único inimigo que gera divisão e inimizade entre nós pois, onde falta amor, ele, o “príncipe das Trevas” está presente e reina!

Quando, pelo amor, vencemos a iniquidade e a divisão, as trevas fogem perante a luz, o perdão nos une, nos torna amigos, nos devolve a comunhão originária que “contém e atrai” a Presença de Jesus, Luz do mundo, no meio de nós pois: “Onde dois ou três estão unidos no meu nome Eu estou no meio deles” (Mt 18,19).

Não amar o irmão significa caminhar nas trevas e, prosseguindo nesta escolha da escuridão, iremos cair no buraco da morte, sem esperança. O ódio é um vórtice que nos levará para as trevas do inferno, sem retorno.

Poderia dizer que Madre Teresa de Calcutá foi um exemplo: ela via em todos, de modo particular nos pobres, Jesus, Luz do mundo e a eles servia. Nós devemos fazer o mesmo.

Comece na sua casa, seja luz para o grupo, na sua igreja, no seu trabalho, com seus amigos e inimigos. Tenha certeza, a humanidade procura a luz, mas frequentemente vive na tristeza, escuridão e odeia os outros. Você, ao invés, pode ser portador de luz para muitos, amando sem medida.

Pe. Antonello Cadeddu

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password