A Mulher Samaritana: transformada por Jesus 

O Encontro com a verdade (Jo 4,1-42)

O quarto capítulo do Evangelho de São João é o mais longo de todo o Novo Testamento. A mulher samaritana representa todos nós, toda a humanidade em busca do verdadeiro “Esposo”, do Messias!

Imaginemo-nos mergulhados, envolvidos pessoalmente dentro desse encontro, pois tenho certeza de que o Espírito Santo deseja falar para cada um muito mais do que as poucas indicações que posso oferecer nessa pobre reflexão

“Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva” (Jo 4,10).

“Jesus deixou a Judeia e foi de novo para Galileia” e, por isso, “era preciso passar pela Samaria” (Jo 4,3-4). Na verdade, geralmente, esse caminho era feito passando pelo outro lado do Jordão, evitando passar pela Samaria. Entendemos, então, que “era preciso” tem a mesma necessidade do caminho de Cristo para a Cruz: “Seria preciso que o Messias sofresse tudo isso para entrar na Gloria” (cf Lc 24, 26).

Em outras palavras, há uma urgência, uma necessidade no amor. Esse amor que “nos impulsiona” – como  diz São Paulo em 2Cor 5,14 – a dar a vida, para que “não se perca nenhum desses pequeninos”! Assim é o Coração e a Vontade do Pai (cf Jo 6,39). 

Jesus sempre quebra preconceitos. Para Ele não existem pessoas excluídas ou perdidas e, se perdidas fossem, Ele sempre deixaria as noventa e nove ovelhas para procurar aquelas que se perderam. Jesus quebra os preconceitos ao entrar na Samaria e falar a sós com “uma mulher”.

Isso era proibido para um Mestre e surpreende primeiro a mesma mulher e, depois, os discípulos. Outra reflexão importante: a cidade de Sicar era a antiga Siquém, a primeira “terra prometida” para Abraão. Aqui havia os carvalhos de Mambré (cf. Gn18), onde os três Anjos apareceram e renovaram com ele a promessa da Aliança da posteridade.

Aqui estava o poço de Jacó e aqui Jacó foi chamado de Israel pela primeira vez; esse poço, Jacó o doou para José, o filho vendido pelos irmãos que, na sua misericórdia, restabeleceu a fraternidade com eles e salvou toda a família da carestia.

Não por acaso, José é, biblicamente, o primeiro modelo de Jesus, o Messias que ia restabelecer a salvação, a unidade e todo o gênero humano, como família dos filhos do único Pai, irmãos reconciliados, unidos no Seu Espírito…. Quanta riqueza de simbologia!

Outra palavra-chave é “mulher”! João usa o termo mulher só para Maria, em Caná e aos pés da Cruz e, no fim do evangelho, para Maria Madalena, após a ressureição de Jesus porque, pela Sua morte foi resgatada e tornou-se “nova criatura”.

Aqui Jesus chama a samaritana de “mulher”, após reconhecê-Lo como Salvador. Jesus lhe devolve, assim, sua dignidade de mulher, de esposa e de mãe.

Nela o Senhor quer abraçar a humanidade sem rumo, cega, sedenta, devolvendo-lhe a herança do Pai, resgatando a sua filiação perdida. O texto ainda coloca inúmeros outros elementos: o poço, o alimento, o lugar de adoração, a divisão religiosa entre Jerusalém e a Samaria, a semente e a colheita … O “coração” deste texto está nas palavras água e sede: sede de Deus e sede do homem. 

“Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva” (Jo 4,10).

A sede expressa o desejo mais profundo da existência. A salvação está no encontro de dois desejos: “Deus nos deseja”, Ele é o Deus amante em busca da criatura amada. Da mesma forma, o nosso coração só sacia sua sede de amor nos braços do Amado. Jesus está sedento e, cansado da viagem, senta-se junto à fonte na hora mais quente do dia. “Jesus lhe disse: dá-me de beber!” (Jo 4, 7). Não podemos não ouvir aqui o eco do grito do mesmo Cristo na cruz na mesma hora: “Tenho Sede!” (Jo 19, 28). 

Um Deus que “precisa do meu amor”, que se faz “Mendigo de amor”, sedento do meu amor. É paradoxal! Este amor é Ele mesmo. E Ele nos faz capazes de Si, pelo desejo que Ele mesmo nos dá de amar. Ele pede que O amemos para despertar em nós a sede de amor que só Ele pode saciar: “Quem tem sede venha e beba e do seu seio jorrarão rios de água viva!” (Jo 7, 37).

“Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva” (Jo 4,10).

A mulher é samaritana e adúltera. Ela já teve seis maridos, ela busca água em poças lamacentas, estagnadas, que não souberam saciar sua sede de amor. Agora encontra a Fonte da Água Viva nAquele sétimo homem da sua vida, que é Jesus, um Deus sedento do seu amor, que não se envergonha de achegar-se a ela como peregrino, estrangeiro, cansado e sedento. 

É o anúncio deste amor do Pai que não se podia mais conter, a ponto de partir o Coração do Filho e derramar-se sobre a humanidade sedenta como uma Aliança eterna, uma “Aliança de Misericórdia”. Eis que o “Sedento” se torna “Fonte de Água Viva” para a samaritana. Este “estrangeiro” se torna íntimo de seu coração, revelando os mistérios da sua existência e todo o seu passado. Eis que a pecadora se torna testemunha do Messias, enviada para anunciar a Sua Misericórdia. 

Eis o sentido da nossa vida: acolher o dom do Pai, o Seu amor, esta Água Viva que o Senhor nos traz; acolher o Seu Espírito que nos torna família, que destrói o muro de separação do pecado, que nos torna filhos e irmãos, que transforma os pecadores em santos e testemunhas da Sua Misericórdia, que nos torna família em missão. 

“Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva” (Jo 4,10).

Por isso, a nós, “Samaritanos deste tempo”, pecadores amados e resgatados, cabe hoje adorar a Deus em espírito e verdade e levar o anúncio da Misericórdia até os últimos confins da Terra.

Os abençoo de coração!

Pe. João Henrique

Fundador

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password