Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso

A meu ver, a misericórdia [de Deus] consiste no amor que opera com suavidade e plenitude de graça, numa superabundante compaixão.

A misericórdia incansável

A meu ver, a misericórdia [de Deus] consiste no amor que opera com suavidade e plenitude de graça, numa superabundante compaixão.

Ela põe mãos à obra para nos defender e para que todas as coisas resultem em nosso bem. Desse modo, por amor, permite por vezes que vacilemos; e quanto mais vacilamos, mais caímos, e quanto mais caímos, mais morremos. […] Apesar disso, o suave olhar da piedade e do amor nunca se separa de nós, não cessa nunca a obra da misericórdia.

O bem próprio da misericórdia e o da graça são dois aspetos de um único amor. A misericórdia é um atributo da compaixão, proveniente de uma ternura materna; a graça é um atributo da glória, proveniente do majestoso poder do Senhor no mesmo amor.

A misericórdia defende, ampara, vivifica e cura, e em tudo isso é ternura amorosa; a graça edifica e recompensa infinitamente mais do que o merece a nossa vontade e o nosso trabalho, e assim propaga e manifesta a generosidade que Deus, nosso Senhor soberano, nos prodigaliza na sua maravilhosa afabilidade.

Imenso Amor de Deus

Tudo isso provém da magnificência do seu amor, já que a graça transforma a nossa terrível fraqueza em abundante e infinita consolação, a nossa vergonhosa queda em sublime e glorioso reerguer-se, a nossa triste morte em santa e bem-aventurada vida. […]

Sempre que a nossa perversidade neste mundo nos conduz ao sofrimento, à vergonha e à aflição, no Céu, pelo contrário, a graça reconforta-nos e conduz-nos à glória e à felicidade; e com tal superabundância que, ao chegarmos lá acima para receber a recompensa que a graça preparou para nós, agradeceremos e bendiremos a Nosso Senhor, alegrando-nos por termos sofrido tais adversidades.

E esse ditoso amor será de tal ordem, que conheceremos em Deus certas coisas que nunca teríamos conhecido se não tivéssemos passado por tais provações.

Juliana de Norwich (1342-depois de 1416)
mística inglesa

Revelações do Amor Divino, cap. 48

Segundo fonte de Evangelho Quotidiano

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password